Artigos

A Pedagogia das cores na educação brasileira


“O homem é o problema da sociedade brasileira, sem salário, analfabeto, sem saúde, sem casa, portanto sem cidadania.” (Ulisses Guimarães)

O que dizer sobre uma educação em estado de decomposição? Esse é o triste quadro da nossa educação, em um estágio terminal. Mas não podemos deixar isso acontecer. A Educação no Brasil está na UTI. O professor que é o agente de mudança social, metaforicamente, “doa” seu próprio sangue, pois trabalha sem condições materiais em espaços físicos muitas vezes em precariedade, lida com os baixos salários e a desvalorização de sua classe profissional, mas não deixa de acreditar em dias melhores.

Quando comecei a estudar pedagogia, era leiga por completo no que se referia à educação no Brasil. Durante o curso tive oportunidade de buscar muito além do que era oferecido em sala de aula. Uma busca incessante começou, sentia que poderia fazer algo, mesmo que em pequena escala.

Essa busca resultou na Pedagogia das Cores, uma metodologia simples e de baixo custo que utiliza as cores da cromoterapia no ambiente escolar. Visando que a mídia, marketing, políticos e líderes religiosos já usufruíam desse benefício, estava na hora da escola deixar de ser preto e branco e utilizar o que o meio oferecia: As cores.

Ciente da dificuldade de trazer algo novo a uma educação tão tradicional, propus desmistificar o que alguns acreditavam ser esoterismo, deixando explícito que se tratava de exoterismo (conhecimento transmitido ao público sem restrição).

O que é a Pedagogia das Cores? É um estímulo que acontece de fora para dentro. Nesse momento o professor é o intermediário, cabe a ele e a escola promover esse estímulo através de cores certas em cada ambiente. Com o passar do tempo, esse educando irá adquirir uma mente sã. Quando digo mente sã, deixo claro que é uma mente que bloqueia estímulos externos indesejáveis e passa a pensar de dentro para fora, pois sabe lidar e explorar as cores a seu favor, filtrando as informações impostas. Uma pessoa com uma mente sã, não será estimulada por um restaurante sem ter fome, por mais que as cores desse local sejam atrativas. Não irá comprar o que não precisa, porque os estímulos são bloqueados. Hoje somos vítimas da falta de conhecimento e utilização das cores. Assim é o mundo, colorido e estimulante. Mas se ensinarmos nosso aluno desde a mais tenra idade a ter uma mente sã, trabalhando as cores de maneira positiva, mudaremos esse quadro. Utopia? Não! Em 2010, quando trouxe ao conhecimento público a Pedagogia das Cores foi o que mais ouvi. Hoje colho resultados positivos de professores, coordenadores, psicopedagogos e escolas que já utilizam as cores.

O que a Pedagogia das Cores pode trazer para a educação brasileira? O direito de sermos verdadeiros cidadãos, direito de pensarmos por nós mesmos, de dentro para fora. Direito de sabermos diferenciar o que nos serve e o que não precisamos. A Pedagogia das Cores trabalha diretamente com professores através de palestras e workshops promovendo a conscientização da utilização das cores em prol de um estímulo saudável na aprendizagem e um comportamento adequado ao local que esse indivíduo está inserido. O professor precisa adequar-se às novas propostas e dar continuidade em sua formação acadêmica. Ao participar de algum evento promovido pela Pedagogia das Cores, conhece o trabalho e passa a utilizá-lo em sua sala de aula. Através desses eventos a Pedagogia das Cores está conseguindo atingir o objetivo que é : Um professor motivado.

Texto: Solange Depera Gelles

Voltar para artigos